Da influência dos movimentos de educação e cultura popular aliada às novas tendências na educação para a disseminação/ valorização dos ambientes não escolares.

Thassiana Bessa Ferreira

Resumo


Este artigo tem o objetivo de, por meio de breves reflexões sobre os movimentos de educação e cultura popular na educação ocorridos no século XX, mais precisamente na década de 1960, apresentar seus principais motivos e discutir como influenciaram na disseminação dos espaços educativos não escolares. Como rol exemplificativo, podemos citar: Movimento de Educação de Base (MEB), De pé no chão também se aprende a ler e o Movimento de Cultura Popular de Pernambuco (MCP).  Apresenta também uma breve exposição da evolução da legislação no âmbito educacional, desde a Constituição da República de 1988 até a publicação da Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), perpassando pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Menciona, de forma resumida, os ambientes não escolares mais comuns e de que forma tem contribuído para a disseminação do conhecimento, por exemplo: museus, oficinas, centros culturais, fundações e Organizações não governamentais (ONGs). O artigo apresenta ainda o paralelo existente entre as novas tendências educativas e o desenvolvimento desses ambientes não escolares, a exemplo da escola aberta. Por fim, como considerações finais, este artigo aponta o desenvolvimento dos ambientes não escolares como uma tendência educacional do século XXI, coexistindo, assim, com o ambiente escolar (a escola).


Palavras-chave


Movimentos de educação e cultura popular. Legislação. Escola aberta. Ambientes não escolares.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.