PROFMAT E A FORMAÇÃO DOCENTE PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA

João Pedro Aparecido Vicente

Resumo


Este trabalho tem como objetivo a análise crítica, com base em pesquisa bibliográfica e documental, a respeito do Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional – Profmat – buscando contextualizar o programa, criado em 2010, no ambiente de políticas públicas brasileiras desenvolvido a partir dos anos 1990. As referidas políticas são consideradas por muitos autores como alinhadas ao ideário do neoliberalismo, difundido em âmbito mundial na esteira dos processos de globalização. Tendo como base epistemológica a concepção estruturalista, no que tange a buscar entender as relações existentes entre os agentes inseridos nos ambientes micro e macrossociais, a análise toma as políticas neoliberais globalizadas como dispersoras de conceitos localmente apropriados, traduzidos em mecanismos de ação dentro dos países, conforme documentam Ball, Bresser-Pereira e Lauglo. Partindo das políticas brasileiras para educação dos anos 1990, demonstro a institucionalização do conceito de desenvolvimento de competências e a utilização de mecanismos de formação massiva e com otimização de custos, em cujas características se enquadra a descrição do Profmat. Por fim, fundamento aquelas que seriam, conforme teóricos específicos da Educação como Saviani, Silva Júnior e Freitas, as implicações práticas que o uso das tecnologias e a mensuração de qualidade e de produção têm impresso no cotidiano da formação docente.

Palavras-chave: Profmat. Formação de professores. Políticas públicas. Neoliberalismo.


Texto completo: PDF

Apontamentos