A MÍDIA E SUA RELAÇÃO COM A VIOLÊNCIA SIMBÓLICA NO CONTEXTO ESCOLAR

Telma Aparecida da Silva Santos

Resumo


Este artigo tem o objetivo de, por meio de reflexões conjuntas com a antropologia e a sociologia, discutir como nascem algumas raízes da violência simbólica no contexto escolar. Faz um breve estudo acerca das narrativas fílmicas e da mídia, enquanto indústria cultural para preservação da cultura hegemônica-dominante, através de revisão da literatura. Estuda teorias a respeito dos mitos, as formas imagéticas da violência e como a mídia pode influenciar também o cotidiano escolar, através do habitus, trazido em cada um de seus atores, e sua relação direta com o campo, (BOURDIEU, 1982) que nesse caso específico é o escolar. Perpassa por definições do que vem a ser codificação e decodificação dos espectadores (HALL, 2008), destacando que há três maneiras pelas quais as pessoas decodificam as mensagens midiáticas e qual a relação que há entre elas e as manifestações da violência simbólica escolar. Conceitua o mito da não-violência (CHAUÍ, 1980) e sua implicação para uma suposta neutralidade da instituição escolar quanto à violência na/da escola. Por fim, como considerações finais, aponta um dos caminhos para o tratamento da violência simbólica escolar por meio do estudo da literacia midiática (media literacy).

Palavras-chave: Relações escolares. Mídia. Violência Simbólica. Literacia Midiática.

Texto completo: PDF

Apontamentos