IDENTIDADE PROFISIONAL DE ENFERMEIROS/AS: PERSPECTIVAS DE FORMAÇÃO DOCENTE

Maria José Souza Pinho, Agnete Troelsen Pereira Nascimento

Resumo


O presente artigo introduz a discussão oriunda de pesquisa de Mestrado em Educação, em andamento. Busca compreender as perspectivas de formação do enfermeiro/a docente em relação a seu trabalho na educação profissional no sentido de perceber a identidade docente. Entendemos a construção deste conhecimento como espaço de reflexão, além de possibilitar mudanças na prática docente, permite a reflexividade sobre esta identidade profissional, construindo pistas e novas perspectivas de formação pedagógica, buscando um maior aprofundamento teórico, metodológico e interpretativo.  Entendemos o quanto é importante redescobrir uma nova e mais poderosa identidade profissional para esses novos desafios do sistema educacional para o melhor exercício docente. Neste contexto, a prática reflexiva é apontada como referencial para o desenvolvimento da formação da identidade docente

Referências


ABRAHÃO, M.H.M.B. Pesquisa (auto)biográfica em rede. Salvador: EDUNEB, 2012.

ALMEIDA, M.C.P.; ROCHA, J.S.Y. O Saber de enfermagem e sua dimensão prática. São Paulo: CORTEZ; 1986.

BARATO, J. N. O saber do trabalho e a formação do docente. In: REGATTIERI, M.; CASTRO, J.M. Ensino Médio e Educação Profissional: desafios da integração. Brasília: Unesco. 2.ed. 2010.

BRAGA, M. J. G. Ser professor: um estudo sobre a constituição identitária profissional do enfermeiro docente. Portal Metodista de Periódicos Científicos e Acadêmicos, São Paulo, v. 13, n. 25, p. 98-117, jul.-dez. 2013. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/cadernosdeeducacao/article/view/4962/4167 Acesso em 8 dez. 2016.

DUBAR, C. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

EBISUI, C.T.N. A identidade profissional do enfermeiro professor do ensino técnico de enfermagem, 2004, 190 f. Dissertação [Mestrado em Enfermagem]. Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, 2004.

FARIA, O. I. L.; CASAGRANDE, L. D. R. A educação para o século XXI e a formação do professor reflexivo na enfermagem. Rev. Latino. Am. Enfermagem. v.12, n.5, p.104-169.2004.

FERREIRA, L.C. Formação e identidade docente: práticas e políticas. In: FERREIRA, L.G.; FERRAZ, R. de C.S.N. (Orgs.). Formação Docente: Identidade, Diversidade, Saberes. Curitiba: CRV, 2014.

FERREIRA, L.G. Fazer docente: reflexões sobre formação trabalho e especificidades das áreas de atuação docente. In: FERREIRA, L.G.; FERRAZ, R. de C.S.N. (Orgs.). Formação Docente: identidade, diversidade, saberes. Curitiba: CRV, 2014.

FERNANDES, C. N. da S.; SOUZA, M.C.B. de M. Processo de Constituição da Identidade Profissional Docente de Professores do Ensino Superior de Enfermagem. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2007.

FROZONI, R.C. Identidade Profissional e perfil dos professores dos cursos de educação profissional técnica de nível médio em enfermagem de um município do interior do Estado de São Paulo, 2013, 85 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) -. São Paulo: Universidade de São Paulo: 2013.

FURLANETTO, D.; ARRUDA, M.P. de. Uma questão profissional: a identidade do professor enfermeiro. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO DA REGIÃO SUL, IX, 2012. Santa Catarina, ANPED Sul, 2012. Disponível em: http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/viewFile/2745/515 Acesso em: 7 abr. 2013.

GATTI, B.A. Os professores e suas identidades: o desvelamento da heterogeneidade. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n. 98, p. 85-90, ago., 1996. Disponível em: http://www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/ep/arquivo/249.pdf. Acesso em: 01 out. 2016.

JOSSO, M.C. Experiências de vida e formação. Tradução José Claudino e Júlia Ferreira. São Paulo: Cortez, 2004.

MACHADO, L. R. de S. Diferenciais inovadores na formação de professores para a educação profissional. Revista Brasileira de Educação Profissional e Tecnológica. Brasília, DF, v.1, n.1, p.8-22, jun., 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf3/rev_brasileira.pdf Acesso em: 12 ago. 2012.

MANFREDI, S. História da educação profissional no Brasil. In: ______. Educação Profissional no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002. p. 28-46.

MENEZES, G.N.D.; RIOS, J.A.V.P. Política de formação docente na educação profissional técnica. In: RIOS, J.A.V.P. (Org.). Políticas, práticas e formação na educação básica. Salvador: EDUFBA, p. 35-55, 2015.

MOURA, A. et al. SENADE: expressão política da Educação em Enfermagem. Rev. Bras.Enferm.v. 59, p. 442-53, 2006.

NAKAMAE, D.D. Novos caminhos da enfermagem: por mudanças no ensino e na pratica da profissão. São Paulo: Cortez. 1987.

NÓVOA, A. (Org.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1992.

NÓVOA, A. Relação escola-sociedade: novas respostas para um velho problema. In: SERBINO, R. et al (Orgs). Formação de professores. São Paulo: UNESP, 1998.

________. Profissão Professor. 2.ed. Portugal: Porto Editora, 2008.

OGUISSO, T. Considerações sobre a legislação do ensino e do exercício do técnico de enfermagem e do auxiliar de enfermagem. Rev. Bras. Enferm. v.30, p.168-74.1997.

PIMENTA, S.G. Formação de professores: identidade e saberes da docência. In: ______ (Org.). Saberes Pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez, 1999.

PORFÍRIO, R. M.; MANZOLLI, J.; GROSS, H. B.; SANTOS, J.R.A dos. Perfil sócio-econômico-cultural do estudante de auxiliar de enfermagem de São Paulo. Rev. Bras. Enferm. v. 45, p. 290-97, 1992. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71671992000300007 Acesso em: 14 set. 2016.

POUPART, J.; DESLAURIERS, J.-P.; GROULX, L.-H.; LAPERRIÈRE, A.; MAYER, R.; PIRES, A. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Tradução de NASSER, A.C. Rio de Janeiro: Vozes, 2010.

RAMOS, M. Educação Básica e Educação Profissional: projetos em disputa. Texto base para exposição na sessão especial na reunião anual da ANPED realizada em Poços de Caldas, no período de 07 a 11/10/2003.

ROSEMBERG, F. Segundo grau no Brasil: cobertura, clientela e recursos. Cadernos de Pesquisa. v.68, p.39-54.1989.

SANTOS, L. H. P. dos; CASSIANI, S. H. de B. Vivendo em constante conflito: o significado da prática docente no ensino médio de enfermagem. Rev.latino-am.enfermagem, Ribeirão Preto, v. 8, n. 5, p. 58-64, outubro 2000. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rlae/article/view/1499/1538 Acesso em: 20 set. 2012.

______. Estratégias e avaliação no processo ensino-aprendizagem e a postura do professor na educação profissional em enfermagem, 2005, 148 f. Tese (Doutorado em Enfermagem). Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, 2005.

SILVA, T.T. da Documentos de identidade: uma introdução as teorias do discurso. 2ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

SIMIONATO, M. F. A formação do professor do ensino técnico no contexto da reestruturação produtiva. In :KRONBAUER, S.C.G. et al (Orgs). Formação de Professores: abordagens contemporâneas. São Paulo: Paulinas, 2008.

VASCONCELOS, M.L. Docência e autoridade no ensino superior: uma introdução ao debate. In: VASCONCELOS, Maria Luíza. Ensinar e aprender no ensino superior. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2005.


Texto completo: PDF

Apontamentos