IDENTIDADES E CULTURA AFRO-BRASILEIRA NA DOCÊNCIA EM CLASSES MULTISSERIADAS

Antônio José de Souza, Jane Adriana Vasconcelos Pacheco Rios

Resumo


Este estudo buscou identificar como a identidade e a cultura afro-brasileira emergiam nas histórias de vida, formação-profissão dos docentes da roça de classes multisseriadas do município de Itiúba, interior da Bahia, através de uma pesquisa-formação atravessada pela fenomenologia e hermenêutica que através da abordagem (auto)biográfica revelou a hesitação dos docentes em cumprir a Lei 10.639/2003 por terem sido imersos em um contexto de negação da identidade e cultura negra. Foi realizado o Ateliê (auto)biográfico oportunizando experiências formativas a partir da relação entre educação e questões étnico-raciais. Percebemos a necessidade de refletir sobre o lugar do negro nas histórias de vida desses professores para que fosse possível pensar em uma proposta construída com eles a partir de suas trajetórias de vida/formação/negação.


Referências


BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais – pluralidade cultural e orientações sexuais. Temas transversais, Brasília, v. 10, p. 1-126, 1997.

______. Ministério da Educação/Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade/Secretaria Especial de Política de Promoção da Igualdade Racial. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília, DF: MEC/SECAD/SEPPIR, 2005.

______. Assembleia nacional Constituinte. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

______. Lei 10.639/2003, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9. 394, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília.

______. Lei 11.645/2008 de 10 de março de 2008. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília.

CANCLINI, N. G. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. 4. ed. São Paulo: EDUSP, 2013.

CAVALLEIRO, E. Introdução. In: BRASIL, Ministério da Educação/Secretaria da Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Orientação e ações para a educação das relações étnico-raciais. Brasília, DF: MEC/SECAD, 2006. p. 13-26.

______. Introdução. In: BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal nº 10.639/03. Brasília, DF: MEC/SECAD, 2005. p. 11-18.

CIAMPA, A. da C. A estória do Severino e a história da Severina: um ensaio de psicologia social. São Paulo: Brasiliense, 1998.

COLASANTI, M. Doze reis e a moça no labirinto do vento. Global Editora, Rio de Janeiro, 2000.

COSTA, J. F. Da cor ao corpo: a violência do racismo. In: SOUZA, N. S. Tornar-se negro: as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro: Graal, 1983. p. 1-16.

FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FERNANDES, F. O negro no mundo dos brancos. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1972.

GATTI, B. A. Valorização da docência e avaliação do trabalho docente. In: GATTI, B. A. (Org.). O trabalho docente: avaliação, valorização, controvérsias. Campinas, SP: Autores Associados; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2013. p. 153-176.

GENTILI, P. et al. Educação e população afrodescendente no Brasil: avanços, desafios e perspectivas. Madrid: Fundación Carolina – CeALCI, 2011.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010. Disponível em: . Acesso em: 02 mai. 2015.

LEIRO, A. C. R. Formação docente e educação básica: currículo e arranjos de pesquisas. In: LEIRO, A. C. R.; SOUZA, E. C. de (Orgs.). Educação básica e trabalho docente: políticas e práticas de formação. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 23-37.

MACEDO, R. S. Currículo, diversidade e equidade: luzes para uma educação intercrítica. Salvador: EDUFBA, 2007.

RIOS, J. A. V. P. Ser e não ser da roça, eis a questão! Identidades e discursos na escola. Salvador: EDUFBA, 2011.

SARDELICH, M. E. Leitura de imagens, cultura visual e prática educativa. Cadernos de Pesquisa, v. 36, n. 128, p. 451-472, mai./ago. 2006.

SILVA. M. do S. Diretrizes operacionais para escolas do campo: rompendo o silêncio das políticas educacionais. In: BAPTISTA, F. M. C.; BAPTISTA, N. de Q. (Orgs.). Educação rural: sustentabilidade do campo. Feira de Santana, BA: MOC; UEFS; (Pernambuco): SERTA, 2003. p. 29-51.

SOUZA, N. S. Tornar-se negro: as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1983.


Texto completo: PDF

Apontamentos