Ensino de matemática na Educação de Jovens e adultos: uma análise sobre a identidade docente dos professores de matemática

Carla Cristina Pompeu

Resumo


Esse artigo propõe uma discussão sobre a identidade profissional do professor de matemática, diante das inúmeras complexidades e mudanças nas propostas curriculares para a Educação de Jovens e Adultos no estado de São Paulo. Para a compreensão do papel do profissional docente no contexto escolar, propomos uma discussão sobre a educação de jovens e adultos, as políticas públicas e propostas curriculares no âmbito da Educação de Jovens e Adultos (EJA) e de que modo tais propostas reforçam as identidades profissionais do professor e, em particular, do professor de matemática. Reconhecendo que a identidade profissional é dinâmica e advém de experiências e relações sociais e culturais estabelecidas em diferentes contextos, é preciso considerar a complexidade da constituição da identidade profissional como possibilidade de repensar a educação matemática no contexto da EJA.

 


Referências


ABREU, G. A teoria das representações sociais e a cognição matemática. Quadrante, Lisboa, v. 4, n. 1, p. 25-41, 1995.

ALVISI, C.; MONTEIRO, A. A travessia do currículo-verdade para o currículo experiência: por caminhos indisciplinares. In: ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO DA REGIÃO SUDESTE, 9.: Pesquisas em Educação no Brasil: balanço do século XX e desafios para o século XXI, São Carlos, 8-11 jul. 2009. Anais... São Carlos: UFSCar, 2009.

BOLOGNANI, M. S. F.; NACARATO, A. M. Identidade profissional de professoras que ensinam matemática nos anos iniciais.Revista Educação em Questão, v. 54, n. 40, p. 75-100, 2016.

BOMFIM, M. I. do R. M.; VENTURA, J. P. Formação de professores e educação de jovens e adultos: o formal e o real nas licenciaturas. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 31, n. 2, p. 211-227, jun. 2015.

BRASIL. Assembleia nacional Constituinte. Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 5 de outubro de 1988. [DOU de 05out.1988, nº 191-A, Seção I, p. 1]. Brasília, DF, 1988. Disponível em: https://www.senado.gov.br/atividade/const/con1988/CON1988_05.10.1988/CON1988.asp Acesso em: 15 out. 2015.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros curriculares nacionais para o ensino médio. Brasília, DF, 2002.

_______. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Brasília, DF, 2014ª

______. Ministério da Educação. Secretaria de Articulação com os Sistemas de Ensino. Planejando a próxima década: conhecendo as 20 metas do Plano Nacional de Educação. Brasília, DF: MEC/Sase, 2014b.

______. Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BUSQUINI, J. A. A proposta curricular do estado de São Paulo de 2008: discurso, participação e prática dos professores de Matemática. 2013, 231 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

CABRITA, I. As (inter)acções na aula de Matemática e a gestão do tempo. In: MONTEIRO, C. et al. (Org.). Interacções na aula de Matemática. Viseu: Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação/Secção de Educação Matemática, 2000. p. 115-131.

CHARLOT, B. Os jovens e o saber: perspectivas mundiais. Porto Alegre: Artmed, 2001.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Câmara de Educação Básica. Parecer CNE/CEB nº 11/2000. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Relator: Carlos Roberto Jamil Cury. Brasília, DF, 2000.

______. Conselho Pleno. Parecer no 09/2001, de 8 de maio de 2001. Diretrizes curriculares nacionais para a formação de professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, DF, 2001. Disponível em: . Acesso em: 9 dez. 2016.

COSME, A.; TRINDADE, R. E. A atividade curricular e pedagógica dos professores como fonte de tensões e dilemas profissionais: contributo para uma interpelação sobre a profissão docente. Rev. Bras. Educ. [online], v.22, n. 69, p.565-587, 2017.Available from: . ISSN 1413-2478. http://dx.doi.org/10.1590/s1413-24782017226928.

D’AMBROSIO, U. Prefácio. In: BORBA, M. C.; ARAÚJO, J. L. Pesquisa qualitativa em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. p. 11-23.

DAVID, M. M.; MOREIRA, P. C.; TOMAZ, V. S. Matemática escolar, matemática acadêmica e matemática do cotidiano: uma teia de relações sob investigação. Acta Scientiae, Canoas, v. 15, n. 1, p. 42-60, 2013.

DI PIERRO, M. C. A educação de jovens e adultos no Plano Nacional de Educação: avaliação, desafios e perspectivas. Educação & Sociedade, Campinas, v. 31, n. 112, p. 939-959, 2010.

______. Notas sobre la trayectoria reciente de la educación de personas jóvenes y adultas en Latinoamérica y el Caribe. In: CARUSO, A. et al. Situación presente de la educación de personas jóvenes y adultas en América Latina y el Caribe: informe regional. Pátzcuaro: Crefal-Ceaal, 2008. p. 109-128.

DI PIERRO, M. C.; JOIA, O.; RIBEIRO, V. M. Visões da educação de jovens e adultos no Brasil. Cadernos Cedes, Campinas, v. 21, n. 55, p. 58-77, 2001.

DOUEK, N. Some remarks about argumentation and proof. In: BOERO, P. (Ed.). Theorems in school: from history, epistemology and cognition to classroom practice. Rotterdam: Sense, 2007. p. 163-181.

DUBAR, C. A construção de si pela atividade de trabalho: a socialização profissional. Cad. Pesqui. [online], vol.42, n.146, pp.351-367, 2012.

FANIZZI, S. Políticas públicas de formação continuada de professores dos anos iniciais em Matemática: uma experiência da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo. 2015, 329 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015

FANTINATO, M. C. de C. B. A construção de saberes matemáticos entre jovens e adultos do Morro de São Carlos. Revista Brasileira de

Educação, Rio de Janeiro, n. 27, p. 109-124, dez. 2004.

FREIRE, P. Cartas a Cristina. 4. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1994.

______. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FUQUENE, A. A.; MARTÍNEZ, A. G. Construcción de la identidad profesional docente: ¿posibilidad o utopía? Asociación Colombiana para la investigación en Educación en Ciencias y Tecnología. Revista EDUCyT; vol. Extraordinário, dez, p. 126-138, 2012.

GEE, J. P. Identity as an analytic lens for research in education. Review of Research in Education, Thousand Oaks, CA, v. 25, p. 99-125, 2000.

______. Reading as situated language: a sociocognitive perspective. Journal of Adolescent & Adult Literacy, Malden, v. 44, n. 8, p. 714-725, 2001.

GODOY, A. S. Refletindo sobre critérios de qualidade da pesquisa qualitativa. Gestão. Org: Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, Recife, v. 3, n. 2, p. 86-94, 2005.

GÓMEZ-CHACÓN, I. Matemáticas y contexto: enfoques y estrategias para el aula. Madrid: Nancea, 1998.

GÓMEZ-CHACÓN, I.; FIGUEIRAL, L. Identidad y factores afectivos en el aprendizaje de la matemática. Versión en castellano del artículo: Identité et facteurs affectifs dans l’apprentissage des mathématiques. Annales de Didactique et de Sciences Cognitives, Paris, v. 12, p. 117-146, 2007.

HADDAD, S. A educação de pessoas jovens e adultas e a nova LDB. In: BRZEZINSKI, I. (Org.). LDB interpretada: diversos olhares se entrecruzam. São Paulo: Cortez, 1997. p. 106-122.

HEYD-METZUYANIM, E.; SFARD, A. Identity struggles in the mathematics classroom: on learning mathematics as an interplay of mathematizing and identifying. International Journal of Educational Research, Amsterdã, v. 51, p. 128-145, 2012.

LAVE, J.; WENGER, E. Situated learning: legitimate peripheral participation. Cambridge: Cambridge University Press, 1991.

MENEZES, L. et al. Comunicação nas práticas letivas dos professores de Matemática. In: PONTE, J. P. (Org.). Práticas profissionais dos professores de Matemática. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, 2014. p. 135-161.

MIGUEL, A.; VILELA, D. S. Práticas escolares de mobilização de cultura matemática. Cadernos Cedes, Campinas, v. 28, n. 74, p. 97-120, 2008.

MIGUEL, A. et al. A educação matemática: breve histórico, ações implementadas e questões sobre sua disciplinarização. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 27, p. 70-93, 2004.

MONTEIRO, A.; GONÇALVES, E.; SANTOS, J. A. Etnomatemática e prática social: considerações curriculares. In: MENDES, J. R.; GRANDO, R. C. (Org.). Múltiplos olhares: matemática e produção de conhecimento. v. 3. São Paulo: Musa, 2007. p. 29-63.

MONTEIRO, A.; MENDES, J. R.; GUIMARÃES, M. F. Sujeitos governados da EJA: reverberações discursivas nas difíceis relações entre saberes matemáticos. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 20, n. 2, p. 115-135, 2012.

OLIVEIRA, T. Relações de poder: posições ocupadas por professor e alunos na construção social do discurso e da identidade. Intercâmbio: revista do Programa de Estudos Pós-graduados em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem da PUC-SP, São Paulo, v. 8, p. 27-36, 1999.

PAULA, E. F.; CYRINO, M. C. T. C. Identidade profissional de professores que ensinam Matemática: panorama de pesquisas brasileiras entre 2001-2012. Zetetike, Campinas, SP, v. 25, n. 1, p. 27-45, abr. 2017. Disponível

em: . Acesso em: 17 ago. 2017.

PEREIRA, J. E. D.; FONSECA, Maria da Conceição Ferreira Reis. Identidade docente e formação de educadores de jovens e adultos.Educação & Realidade, v. 26, n. 2, p. 51-73, 2001.

SANTOS, V. M. A matemática escolar, o aluno e o professor: paradoxos aparentes e polarizações em discussão. Cadernos Cedes, Campinas, v. 28, n. 74, p. 25-38, 2008.

SANTOS, V. M. Investigando dimensões sócio-contextuais na relação dos alunos do Ciclo I com a matemática e no enfrentamento de dificuldades de aprendizagem. In: SEMINÁRIO DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO, 4., Brasília, DF, 27-28 nov. 2013. Anais eletrônicos... Brasília, DF: Capes, 2013. Disponível em: . Acesso em: 9 dez. 2016.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria Estadual da Educação. Coordenadoria de Gestão da Educação Básica do Estado de São Paulo. Educação de Jovens e Adultos: orientações para o professor: ensino fundamental – Matemática e suas tecnologias. São Paulo: SEE, 2010a.

______. Secretaria da Educação. Coordenadoria de Gestão da Educação Básica do Estado de São Paulo. Educação de Jovens e Adultos: orientações para o professor: ensino médio – Matemática e suas tecnologias. São Paulo: SEE, 2010b.

SOARES, L. O educador de jovens e adultos em formação. In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 29., 15-18 out. 2006, Caxambu. GT 18 – Educação de Pessoas Jovens e Adultas. Anais... Rio de Janeiro: ANPEd, 2006.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

TRABAL, P. Una sociología de la enseñanza de las matemáticas. Revista Educación y Pedagogía, Medellín, v. 23, n. 59, p. 227-240, jan./abr. 2011.

UNESCO. Declaração de Hamburgo sobre Educação de Adultos, CONFINTEA, V. Hamburgo, 1997.

VARGAS, S. de; FANTINATO, M. C. de C. B.; MONTEIRO, E. Curso de extensão universitária em Educação de Jovens e Adultos: discutindo a formação continuada de professores. Revista Movimento, Niterói, n. 12, p. 119-132, 2005.

VIEIRA, R. S. As relações federativas e as políticas de EJA no Estado de São Paulo no período 2003-2009. 2011, 171 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo 2011.

WANDERER, F. Escola e matemática escolar: mecanismos de regulação sobre sujeitos escolares de uma localidade rural de colonização alemã do Rio Grande do Sul. 2007, 228 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2007.

WENGER, E. Comunidades de práctica: aprendizaje, significado e identidad. Barcelona: Paidós, 2001.


Texto completo: PDF

Apontamentos