Lúdico e inclusão: narrativas e experiências de professores diante de um contexto pandêmico em Nova Iguaçu-RJ

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31496/rpd.v24i49.1600

Resumo

Este estudo teve como objetivo compreender as narrativas e concepções que professores atuantes na educação básica possuem sobre inclusão e o lúdico no contexto pandêmico, no qual enfrentamos devido à Covid-19. No entanto, esta investigação é considerada qualitativa, do tipo estudo de caso, no qual teve como base o curso “O Lúdico e suas Manifestações na Educação Básica”, promovido pela Secretaria Municipal de Educação de Nova Iguaçu. Realizado no 1º semestre de 2021, de modo remoto, com a participação de aproximadamente 45 professores que atuam no âmbito do Ensino Fundamental. A partir desse curso e seus desdobramentos, concluímos que os professores que os professores reafirmam o quanto o espaço de encontro autoformativo entre docentes é fundamental principalmente por instaurar um ambiente para a troca de conhecimentos, nesse caso sobre a inclusão e a vivência do lúdico enquanto participação.  

Biografia do Autor

Jonathan Aguiar, Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Brasil

Pós-Doutor em Artes pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Doutorado e Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com o apoio da CAPES; Especialização em Psicopedagogia; Atendimento Educacional Especializado; Aperfeiçoamento em Educação Inclusiva. Graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Segunda Licenciatura em Filosofia pela UniBF. Brinquedista formado pela Associação Brasileira de Brinquedotecas (ABBri/SP). Curso Normal/Formação de Professores pelo Instituto de Educação Carmela Dutra (IECD). Possui experiência docente em instituições públicas e privadas como o Colégio de Aplicação da UFRJ, Colégio Universitário Geraldo Reis vinculado a UFF, Secretaria Estadual de Educação (como professor de Filosofia), Centro Educacional Espaço Integrado, Instituto Sabendo Mais e entre outros. Atualmente é Pesquisador Científico do Laboratório de Pesquisa, Estudos e Apoio à Participação e à Diversidade em Educação (LaPEADE/UFRJ), como também membro do Grupo de Pesquisa em Arte e Visualidades (UERJ), e, Pesquisador Visitante do Grupo de Investigação de Infâncias e Linguagens (GIIL) da Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG). No período de 2013 a 2018 atuou em projetos acadêmicos e científicos no Grupo de Pesquisa LUPEA: O Lúdico no Processo de Ensino e Aprendizagem. Assim como Pesquisador Júnior do MEC, na pesquisa "Violência e Preconceito na Escola" coordenado pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) em parceria com a UFRJ. Foi Formador Regional do Pacto Nacional da Alfabetização na Idade Certa (PNAIC) e atuou na Secretaria Executiva do Fórum Estadual de Alfabetização do Rio de Janeiro (FEARJ). Reúne significativa experiência na área da Educação com diversos livros, artigos publicados e entrevistas a veículos de comunicação. Suas pesquisas recentes tem como enfoque o lúdico, criatividade, inclusão, estética, alfabetização, docência e infância. 

Referências

AGUIAR, J. F. de. Por uma epistemologia do lúdico a partir da perspectiva omnilética. Tese. Doutorado em Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: UFRJ, 2021.

BOOTH, T.; AINSCOW. T. Index para Inclusão: desenvolvendo a aprendizagem e a participação na escola (M. P. dos Santos. Trad.). Rio de Janeiro: LaPEADE, 2012.

BRASIL. Sobre a doença. Ministério da Saúde, 2020. Disponível em: https://coronavirus.saude.gov.br/sobre-a-doenca. Acesso em: 11 out. 2021.

LUCKESI, C. C. Brincadeiras, Jogos e Ludicidade. In: D’ÁVILA, C.; FORTUNA, T. R. Ludicidade, cultura lúdica e formação de professores. Curitiba: Editora CRV, 2018, p.135-142.

LUCKESI, C. C. Ludicidade e atividades lúdicas: uma abordagem a partir da experiência interna. Coletânea Educação e Ludicidade – Ensaios 02, GEPEL, Programa de Pós-graduação em Educação: FACED/UFBA, 2002.

LUCKESI, C. C. Ludicidade e formação do educador. Revista entre ideias, Salvador, v. 3, n. 2, p. 13-23, jul./dez. 2014. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/ndex.php/entreideias/article/view/9161.Acesso em: 07 jan. 2021.

LUKÁCS, G. História da Consciência de Classe: estudo sobre a dialética marxista. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MAIA, M. V. C. M.; VIEIRA, C. N. M. (org.). O brincar na prática docente. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2020.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão escolar. O que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Summus, 2015.

MORIN, E. O método 3: o conhecimento do conhecimento. 5. ed. Porto Alegre: Sulina, 2015.

SANTOS, M. P. dos. Desenho universal para a aprendizagem. In: Mousinho, R.; Alves, L. M.; Capelini, S. A. (org.). Dislexia: novos temas, novas perspectivas. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2015, p. 17-28. v. 3.

SANTOS, M. P. dos. Dialogando sobre inclusão em educação: contando casos (e descasos). Curitiba, PR: Editora CRV, 2013.

SANTOS, M. P. dos. Inclusão e interculturalidade no ensino superior: uma análise omnilética das concepções de gestores de uma universidade pública brasileira. Dossiê: Inclusão, diversidade e diferença no ensino superior. Revista Cocar. n. 13, 2022. Disponível em: https://periodicos.uepa.br/index.php/cocar/article/view/4570. Acesso em: 11 fev. 2023.

SANTOS, M. P. dos. Inclusão, diversidade e diferença. In: RANGEL, M. (org.) Diversidade, Diferença e Multiculturalismo. Niterói: Intertexto, 2011, p. 23-42.

SANTOS, M. P. dos; AGUIAR, J. O lúdico e a criatividade dialogam com inclusão? Revista Educação Especial em Debate. v. 4 n. 8, 2019, p. 38-50. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/reed/article/view/28529. Acesso em: 14 ago. 2021.

URFJ. Faculdade de Educação. LaPEADE. Perspectiva Omnilética. Rio de Janeiro: URFJ, 2024.

YIN, R. K. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Tradução: Daniel Bueno. Porto.

Downloads

Publicado

2024-07-08

Como Citar

Aguiar, J. (2024). Lúdico e inclusão: narrativas e experiências de professores diante de um contexto pandêmico em Nova Iguaçu-RJ. Revista Profissão Docente, 24(49), 1–18. https://doi.org/10.31496/rpd.v24i49.1600