A literatura periférica na construção de uma cultura (literária) dos Direitos Humanos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31496/rpd.v22i47.1446

Palavras-chave:

Educação. Direitos Humanos. Interdisciplinaridade. Literatura.

Resumo

O presente trabalho tem por objeto o estudo sobre o papel da Literatura periférica na formação de uma cultura literária para os Direitos Humanos. No Brasil, desde a década de 1980, tem-se ampliado os estudos teórico-metodológicos que aproximam Direito e Literatura. Dentre as tipologias adotadas para trabalhar com essa aproximação, pretende-se usar a do Direito na Literatura. E é partindo dessa concepção de que a ficção é uma forma de conhecimento válido, filosoficamente capaz de dizer mais sobre o jurídico do que a própria lei, a doutrina e a jurisprudência que este resumo expandido se estrutura e se propõe a defender a utilização de textos literários para uma Educação em Direitos Humanos. A inserção desses textos no ensino jurídico adquire importância na medida em que possibilitam uma melhor formação de profissionais aptos a elevar a Ciência Jurídica a considerar interesses amplos de grupos sociais diversos.

Biografia do Autor

Lucas Ferreira Mazete Lima, Universidade de Uberaba (UNIUBE).

Pós graduando em Ciências Criminais pela Universidade de São Paulo (USP). Graduado em Direito pela Universidade de Uberaba (UNIUBE). Pesquisador do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Direito e Literatura Legis Literae (NEPEDILL DGP CNPQ UNIUBE). Membro do comitê acadêmico da Rede Brasileira de Direito e Literatura (RDL). Advogado.

Thaísa Haber Faleiros, Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Doutora em Direito pela PUC - Minas (2014). Mestre em em Direito pela Universidade de Franca – UNIFRAN (2005). Pós-graduada em Docência Universitária pela Universidade de Uberaba (2009). Professora da Universidade de Uberaba – UNIUBE. Graduada em Direito pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP (1995). Líder do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Direito e Literatura Legis Literae (NEPEDILL DGP CNPQ UNIUBE). Secretária Executiva da Rede Brasileira de Direito e Literatura (RDL). Advogada.

Referências

BRASIL. Presidência da República. Decreto Federal n. 7.037, de 21-dez-2009 e seu Anexo- Programa Nacional de Direitos Humanos III. Brasília, Presidência da República. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-010/2009/Decreto/D7037.htm>. Acesso em 07, jun, 2021.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Parecer n. 08/2012 – Princípios da Educação em Direitos Humanos (EDH). Brasília, Pleno do Conselho Nacional de Educação, 2012, p. 1-18. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rcp001_12.pdf. Acesso em 07, jun, 2021.

BOSI, Alfredo. Literatura e resistência. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

BOSI, Alfredo. Narrativa e resistência. In: _. Literatura e resistência. São Paulo: Companhia das Letras, 2002, p. 118-135.

CÂNDIDO, A. O direito à literatura. In: Vários Escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1995. p.169-191.

CÂNDIDO, A. O direito à literatura. In: Vários Escritos. São Paulo: Duas Cidades, 2011. p.171-193.

COMPAGNON, A. Literatura pra quê? Tradução de Laura Taddei Brandini. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

FALEIROS, Thaísa Haber; GALUPPO, Marcelo Campos. A formação do docente de direito: uma identidade desejada. Anais ENCONTRO NACIONAL CONPEDI, v. 8. p. 4626-4649, 2009.

KARAM, Henriete. Questões teóricas e metodológicas do direito na literatura: um percurso analítico-interpretativo a partir do conto Suje-se gordo!, de Machado de Assis. Revista de Direito da FGV, vol.13 n.3, São Paulo, p. 826-865, Sept./Dec. 2017.

NUSSBAUM, Martha. Sem fins lucrativos: Por que a democracia precisa das humanidades. Tradução de Fernando Santos. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2015.

NUSSBAUM, Martha. Justicia Poética: la imaginación literária y la vida pública. Traducción de Carlos Gardini. Editorial Andrés Bello, 1997.

NUSSBAUM, Martha. The Literary Imagination in Public Life. New Literary History, vol. 22, no. 4, 1991, pp. 877–910. JSTOR. Disponível em www.jstor.org/stable/469070. Acesso em 8, jun, 2021.

BITTAR, Eduardo C. B. Educação e metodologia para os direitos humanos: cultura democrática, autonomia e ensino jurídico. In: SILVEIRA, Rosa Maria Godoy, et al. Educação em Direitos Humanos: Fundamentos teórico-metodológicos. Editora Universitária: João Pessoa, 2007. 513p.

PAIXÃO, Cristiano. O lugar da literatura na educação jurídica: três urgências contemporâneas. LawArt Rivista di Diritto, Arte, Storia Journal of Law, Art and History. 2020, p. 235-260. Disponível em: <http://images.lawart.it/f/articoli/22_articolo_inA1x_due.pdf> Acesso em 27 nov. 2021.

Downloads

Publicado

2022-04-26

Como Citar

Lima, L. F. M., & Faleiros, T. H. (2022). A literatura periférica na construção de uma cultura (literária) dos Direitos Humanos. Revista Profissão Docente, 22(47), 01–17. https://doi.org/10.31496/rpd.v22i47.1446

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)