Educação Integral: contribuições epistemológicas para a construção do conceito

Autores

  • Patricia Freitas Universidade Estadual de Ponta Grossa – UEPG

DOI:

https://doi.org/10.31496/rpd.v22i47.1471

Palavras-chave:

epistemologia, educação integral , formação do Homem

Resumo

O presente estudo analisa as contribuições epistemológicas para a construção do conceito de Educação Integral da antiguidade até o séc. XIX. Para tal, inicialmente serão apresentadas algumas considerações a respeito do conceito de epistemologia e a seguir um levantamento, acerca do conceito de Educação Integral a partir das concepções de formação do homem expressas na história da humanidade. O estudo segue um aporte epistemológico a partir de diferentes obras e autores, explicitando os avanços e recuos da constituição a respeito do conceito de Educação Integral. Além disso, a partir do gráfico que sintetiza a obra de Severino (2007), demarcamos o nível de contribuição em cada período ou teórico na elaboração das análises realizadas. Da análise histórica empreendida podemos inferir que as concepções de formação de homem apresentadas eram representações de diferentes contextos ontológicos econômicos e sociais, e que essas concepções, mesmo com maior ou menor intensidade, e mesmo que não denominassem educação integral, contribuíram para a consolidação do conceito que utilizamos hoje.

Biografia do Autor

Patricia Freitas, Universidade Estadual de Ponta Grossa – UEPG

Licenciada em Pedagogia pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (1998). Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Paraná (2010). Doutoranda do PPGE/UEPG na Linha de Pesquisa História e Políticas Educacionais, participante do Grupo de Pesquisa Políticas Educacionais e práticas educativas - GPPEPE. Docente efetiva do Departamento de Pedagogia da Universidade Estadual de Ponta Grossa UEPG. Tem experiência de 20 anos como professora e gestora nos iniciais do Ensino Fundamental.

Referências

ARCE, A. A formação de professores sob a ótica construtivista: primeiras aproximações e alguns questionamentos. In: DUARTE, N. (org.) Sobre o construtivismo: contribuições a uma análise crítica. Campinas: Autores Associados, 2000.

BADARÓ, C. E. Epistemologia e ciência: reflexão e prática na sala de aula. Bauru: EDUSC, 2005.

BAKUNIN, M. O socialismo libertário. São Paulo: Global, 1979.

BEHRENS O Paradigma Emergente e a Prática Pedagógica. 3.ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2005.

BOBBIO, N. A era dos direitos. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

BOTO, C. A escola do homem novo: entre o Iluminismo e a Revolução Francesa. São Paulo: Editora UNESP, 1996.

BRASIL. Lei nº 13.005/2014. Plano Nacional de Educação (PNE) 2. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Edição Câmara, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN). Lei no 9.394. Brasília, 1996.

CAMBI, F. História da Pedagogia. São Paulo: Ed. UNESP, 1999.

CASTAÑON, G. Introdução à epistemologia. São Paulo: EPU, 2007.

CAVALIERE, A. M. Educação Integral: uma nova identidade para a escola brasileira? Educação e Sociedade, Campinas, v. 23, n. 81, p. 247-270, dez. 2002.

COMENIUS, J. A. Didática Magna. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

DESCARTES, R. Discurso do Método: para bem conduzir a própria razão e procurar a verdade nas ciências. Tradução de Thereza Chistina Stummer. São Paulo: Paulus, 2002.

GONÇALVES, A. S. Reflexões sobre educação integral e escola de tempo integral.

Cadernos Cenpec – Pesquisa e Ação Educacional, São Paulo, v.1, n. 2, p. 129-135, 2006.

GUARÁ, I. M. F. R. “É imprescindível educar integralmente”. Cadernos Cenpec – Pesquisa e Ação Educacional, São Paulo, v. 1, n. 2, p. 15-24, 2006.

GUARÁ, I. M. F. R. Pensamento Pós-Metafísico: estudos filosóficos. 2. ed. Tradução de Flávio Beno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2002.

HART, M. H. As 100 maiores personalidades da história. São Paulo: Difel, 2001.

JAERGER, W. Paideia: a formação do homem grego. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

JAPIASSU, H. F. Introdução ao pensamento epistemológico. 3. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves Editora, 1979.

KANT, I. Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

LARROYO, F. História geral da pedagogia. Tradução de Luiz Aparecido Caruso. Mestre Jou: São Paulo, 1982.

LAZARINI, A. L. Platão e a educação: um estudo do Livro VII de A República. 2007. 80 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007

LEONEL, Z. Contribuição a história da escola pública: elementos para a crítica da teoria liberal da educação. 1994. 258 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1994.

LUZURIAGA, L. História da educação e da pedagogia. São Paulo: Editora Nacional, 1984.

MANACORDA, M. A. História da educação da Antiguidade aos nossos dias. 8. ed. Tradução de Gaetano Lo Monaco. São Paulo: Cortez, 2000

MARROU, H. I. História da educação na antiguidade. Tradução de Mário Leônidas Casanova. São Paulo: EPU, 1990.

MÉSZÁROS, I. Marx: A Teoria da Alienação. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1981.

MONROE, P. História da educação. 19. ed. Tradução de Idel Becker. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1988.

MORIYÓN, F. G. (org). Educação libertária. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

MOURA, R. M. de. Uma leitura histórico-contextual da escola de tempo integral. 2014. 102 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, 2014.

NUNES, G. A. N. Escola de tempo integral: os sentidos e significados atribuídos pela criança. 2013, 145 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2013.

PAZZINATO, A. L.; SENISE, M. H. V. História Moderna e Contemporânea: o Iluminismo. São Paulo: Ática, 1997.

PESTALOZZI, J. H. Ecrits sur la Méthode: Industrie, pauvreté et éducation. Le-Mont-sur-Lausanne: LEP Editions, 2009.

PORTO, L. S. Filosofia da Educação. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

SÁNCHEZ G. S. Epistemologia da Educação Física: as inter-relações necessárias. 2. ed. Maceió: edUfal, 2010.

SEVCENKO, N. O Renascimento. São Paulo: Atual, 1984.

SEVERINO, A. J. Filosofia. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

SILVA, M. C. G. A educação integral na escola de tempo integral: as condições históricas, os pressupostos filosóficos e a construção social da política de Educação Integral como direito no Brasil. 2018. 150 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2018.

SOUSA, G. J. A. Educação integral: percursos e ideias sobre formação humana. 2016. 221 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2016.

Downloads

Publicado

2022-12-04

Como Citar

Freitas, P. (2022). Educação Integral: contribuições epistemológicas para a construção do conceito. Revista Profissão Docente, 22(47), 01–27. https://doi.org/10.31496/rpd.v22i47.1471

Edição

Seção

Dossiê - Educação Integral