Os sentidos da infância no programa Mais Educação: a infância como projeto coletivo

Autores

  • Lívia Silva Teixeira Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Cristiana Carneiro Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.31496/rpd.v22i47.1478

Palavras-chave:

infância, educação integral , Análise do discurso, Psicologia

Resumo

A partir dos discursos oficiais materializados em formato de cartilhas orientadoras, investigamos os possíveis sentidos da infância, que trouxeram para as pautas das agendas educacionais, a ideia de uma educação integral no formato do Programa Mais Educação, em 2007. O arcabouço teórico-metodológico foi pensado pela análise do discurso francesa. Ao tomar o texto enquanto um discurso, observamos os sentidos que subjazem às falas em torno da criança e da infância dentro dos documentos oficiais do programa. Desse modo, concluímos que a infância pensada pelo Programa Mais Educação apareceu associada a discursos que visaram um ideal de formação humana diversificado.

Biografia do Autor

Lívia Silva Teixeira, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Psicóloga. Mestre pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Possui graduação em Psicologia pela Universidade Veiga de Almeida (2015). Pós-graduada em Saúde Mental (2017) FAVENI. Pós- graduação em Teoria Psicanalítica e Prática Clínico-Institucional Psicologia pela Universidade Veiga de Almeida (2018).s . Atuação na área de Psicologia Escolar. Serviço Social e Saúde Mental

Cristiana Carneiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Psicanalista e professora Associada da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pós-doutora Sorbonne - Paris Diderot (2018). Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1992), especialização em psicanálise pela Universidade Santa Úrsula (1997) mestrado em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1997) doutorado em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2002). Foi professora do curso de Especialização em Psicanálise da Associação Universitária Santa Úrsula e do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro até 2009. Desde então é professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro sendo também, a partir de 2016, professora permanente do Programa de Pós Graduação em Psicologia da UFRJ, na Linha Subjetividade, Cultura e Clínica. Coordena o NIPIAC (Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa e Intercâmbio para a Infância e Adolescência Contemporâneas) e faz parte do Conselho Científico da Revista Desidades, criada pelo NIPIAC em 2014. Também participa da comissão nacional da Associação Nacional Rede de Pesquisadores e Pesquisadoras da Juventude Brasileira ? REDEJUBRA É editora associada da revista Arquivos Brasileiros de Psicologia. Coordena o GT Psicanálise e Educação da ANPEPP (Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Psicologia). Participa do grupo Psicanálise, Educação e Laço Social (LAPSE), do CLINP (Clínica Psicanalítica), RED INFEIES (Red Interuniversitária Internacional de Estudos e Investigações Psicanalíticas e Interdisciplinares em Infância e Instituições) e da RUEPSY (Rede Universitária Internacional de Estudos Psicanalíticos na Educação). Pesquisa a clínica e a educação, tendo como eixos a infância e a adolescência.

Referências

BAIERSFORF, M. Notas para uma Educação Integral: participação das crianças da região da capoeira dos Dinos (PR) na construção da experiência de mais tempo da escola em estudam. 432 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal do Paraná, UFPR. Curitiba, 2017.

BARROS, T., H. B. Por uma metodologia do discurso: noções e métodos para uma análise discursiva. In: Uma trajetória da Arquivística a partir da Análise do Discurso: inflexões histórico-conceituais. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2015, p. 73-95.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Educação Integral: texto referência para o debate nacional. Brasília: Ministério da Educação, 2009a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/doc. Acesso em: 15 dez. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Gestão intersetorial no território. Brasília: Ministério da Educação, 2009b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/doc. Acesso em 15 dez. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Rede de saberes mais educação: pressupostos para projetos pedagógicos de educação integral. Brasília: Ministério da Educação, 2009c. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/doc. Acesso em: 15 dez. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Programa Mais Educação: passo a passo. Brasília: Ministério da Educação, 2011. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/doc. Acesso em: 15 dez. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Básica (SEB). Manual operacional de educação integral. Brasília: Ministério da Educação, 2012. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/doc. Acesso em: 15 dez. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Básica (SEB). Manual operacional de educação integral. Brasília: Ministério da Educação, 2014. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/doc. Acesso em: 15 dez. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Programa Novo Mais Educação caderno de orientações pedagógicas – versão I, Brasília: Ministério da Educação, 2017. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/doc. Acesso em: 27 jul. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Programa Novo Mais Educação - caderno de orientações pedagógicas – versão II, Brasília: Ministério da Educação, 2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/doc. Acesso em: 15 dez. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Básica (SEB). Manual operacional de educação integral. Brasília: Ministério da Educação, 2016. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/doc. Acesso em: 15 dez. 2021.

BRASIL. Portaria nº1.144/2016. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/programa-maiseducacao. Acesso em: 15 dez. 2021.

BRASIL. Portaria Normativa Interministerial Nº- 17, de 24 de abril de 2007. Disponível em: www.abmes.org.br/abmes/legislações. Acesso em: 15 dez. 2021.

FERNANDES, C. A. Análise do discurso: reflexões introdutórias. 2. ed. São Carlos, SP: Claraluz, 2008.

JUNCKES, C. R. G. Escola de tempo integral e o direito à infância: uma análise da produção acadêmica (1988-2014). 214 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC. Florianópolis, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/136305. Acesso em: 15 dez. 2021.

MARINO, A. S. A criança na interface do silêncio medicamentoso e como sujeito em psicanálise. POLÊMICA, [S.l.], v. 12, n. 1, p. 39-53, mar. 2013. Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: https://www.epublicacoes.uerj.br/index.php/polemica/article/view/5274/3867. Acesso em: 15 dez. 2021.

MASCIA, M. A. A. Investigações discursivas na pós-modernidade: uma análise das relações poder-saber do discurso político-educacional de língua estrangeira. Campinas: Mercado das Letras, 2002.

MENDONÇA, P. M. O direito à educação em questão: as tensões e disputas no interior do Programa Mais Educação. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG. Belo Horizonte, 2017.

MOLL, J. et al. Caminhos da Educação Integral no Brasil: direito a outros tempos e espaços educativos. Porto Alegre: Penso, 2012.

ORLANDI, P. E. Discurso e texto: formulação e circulação de sentidos. 2. ed. Campinas: Pontes, 2002.

ORLANDI, P. E. A Análise de discurso em suas diferentes tradições intelectuais: o Brasil. In: SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DE DISCURSO, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2003. Anais... Porto Alegre: UFRGS, 2003.

ORLANDI, P. E. Discurso e Leitura. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

ORLANDI, P. E. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 7. ed. Campinas: Pontes, 2009.

ORLANDI, P. E. Discurso em análise: sujeito, sentido, ideologia. Campinas: Pontes, 2012.

PARENTE, C. da M. D. Políticas de educação integral em tempo integral à luz da análise do ciclo da política pública. Educ. Real. [online], Porto Alegre, v.43, n.2, p.415-434, 2016. Disponível em:

https://www.scielo.br/j/edreal/a/GwR4qsVvThyBqcpQfCm3Qhm/abstract/?lang=pt. Acesso em: 15 dez. 2021.

ROVERONI, M.; MOMMA, A. M.; GUIMARÃES, B. C. Educação Integral, escola de tempo integral: um diálogo sobre os tempos. Cad. CEDES [online], Campinas, v.39, n.108, p.223-236, 2019. Disponível em: http://old.scielo.br/pdf/ccedes/v39n108/1678-7110-ccedes-39-108-223.pdf. Acesso em: 18 jan. 2020.

TAGNIN, S. E. O. Glossário de Linguística de Corpus. In: VIANA, V.; TAGNIN, S. E. O. (Orgs.). Corpora no ensino de línguas estrangeiras. São Paulo: HUB Editorial, 2010. p. 357-361.

Downloads

Publicado

2022-12-04

Como Citar

Silva Teixeira, L., & Carneiro, C. (2022). Os sentidos da infância no programa Mais Educação: a infância como projeto coletivo. Revista Profissão Docente, 22(47), 01–20. https://doi.org/10.31496/rpd.v22i47.1478

Edição

Seção

Dossiê - Educação Integral