Educação Integral como concepção educacional: análise a partir dos Cadernos Pedagógicos do Programa Mais Educação

Autores

  • Nadja Regina Sousa Magalhães Instituto Federal do Paraná- Campus Irati
  • Cláudia Maria Costa Dias Universidade Católica de Ávila, Espanha.
  • Andressa Graziele Brandt Instituto Federal Catarinense (IFC) - Campus Camboriú

DOI:

https://doi.org/10.31496/rpd.v22i47.1497

Palavras-chave:

educação integral , Programas, Tempo Integral, P´rática pedagógica

Resumo

Este artigo, que surge em discussões tecidas na investigação no Doutorado em Educação do Programa de Pós-Graduação em Educação na Universidade Federal de Pelotas, no grupo de estudos acerca de Educação Integral, tem como objetivo analisar as concepções de educação integral instituídas através dos Cadernos Pedagógicos do Programa Mais Educação. Optou-se por uma pesquisa de caráter qualitativa dos dados, através da análise bibliográfica. Com o aporte teórico e metodológico, analisamos os descritores: educação integral, processos sociais, tempo e saberes. Os resultados revelaram que o Programa Mais Educação de educação integral, a partir dos cadernos, em dado momento histórico e político, sofreu modificações com as reformas que afetaram a continuidade epistemológica que contêm esses manuais. Para tanto, as políticas públicas de educação integral para jornada escolar no contexto atual, não foram priorizadas, mesmo sendo estabelecidas nas leis como: LDB (1996), PNE (2001, 2014). A educação integral como concepção pedagógica analisa a formação dos sujeitos de direitos, em uma perspectiva de dialogicidade com a prática que reafirma a necessidade de aprofundar estudos na área, assim contribuindo no contexto educativo.

Biografia do Autor

Nadja Regina Sousa Magalhães, Instituto Federal do Paraná- Campus Irati

Pedagoga pela Universidade Estadual do Maranhão (UFMA), Mestra em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Doutora em Educação pela Universidade Federal de Pelotas. É pesquisadora do grupo de estudos e pesquisas Formação de Professores e Práticas de Ensino (FOPPE), da UFSC. Também integra o grupo de Pesquisa Interdisciplinar: Educação, Saúde e Sociedade da UFMA

Cláudia Maria Costa Dias , Universidade Católica de Ávila, Espanha.

Pedagoga pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ituverava, Mestra em Investigação Educativa e em Desarrollo Local e Innovación Territorial pela Universidad de Alicante – Espanha, Doutora em Ciências da Educação e Graduanda em Psicologia pela Universidade Nacional de Educação a Distância (UNED). Atualmente desenvolve atividades de docência em cursos de graduação e pós-graduação na UNED, Design Instrucional para cursos de graduação e pós-graduação, e atua como diretora no projeto Educartem, realizando atividades de apoio psicopedagógico e formação profissional

Andressa Graziele Brandt , Instituto Federal Catarinense (IFC) - Campus Camboriú

Pedagoga pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ), Mestra e Doutora em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professora do curso de Pedagogia, das Licenciaturas e do Mestrado em Educação do Instituto Federal Catarinense (IFC), Campus Camboriú. É pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas Formação de Professores e Práticas de Ensino – FOPPE (UFSC/CNPq), e do Grupo de Pesquisas interdisciplinares: Educação, Saúde e Sociedade, da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA/CNPq).  

Referências

AMARAL, L.; MÓL, S. Programa Novo Mais Educação e os “novos” voluntários: mediadores da aprendizagem e facilitadores. In: NÚCLEO DE ESTUDOS TEMPOS, ESPAÇOS E EDUCAÇÃO INTEGRAL. Blog Educação Integral em Tempo Integral, [S. l.], 30 out. 2016. Disponível: https://bit.ly/2XTrniG. Acesso em: 5 maio 2018.

ARROYO, M. A educação do campo e a perspectiva de transformação da forma escolar. In: MOLL, J. (et al). Caminhos da Educação Integral no Brasil: direito a outros tempos e espaços educativos. Porto Alegre: Penso, 2012.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Ed. extra. Brasília, DF, 26 jun. 2014.

BRASIL. Rede de saberes mais educação: pressupostos para projetos pedagógicos de educação integral: caderno para professores e diretores de escolas. Brasília: Ministério da Educação, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria Normativa Interministerial no 17, de 24 de

abril de 2007. Institui o Programa Mais Educação. Diário Oficial da União: Brasília,

DF, Seção 1, p. 1, 26 abr. 2007. Disponível em: https://bit.ly/2L3JxcB. Acesso em:

jun. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 1.144 de 10 de outubro de 2016. Dispõe sobre o Programa Novo Mais Educação. Diário Oficial da União: Brasília, DF, Seção 1, p. 23, 11 out. 2016a. Disponível em: https://bit.ly/2XUNMfx. Acesso em: 20 set. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa Novo Mais Educação: Caderno de Orientações Pedagógicas – versão 1. Brasília, DF: MEC, 2017.

BRASIL. Decreto no 7.083, de 20 de janeiro de 2010. Dispõe sobre o Programa Mais

Educação. Diário Oficial da União: Brasília, DF, Edição Extra, p. 2, 27 jan. 2010.

Disponível em: https://bit.ly/2DrHPgI. Acesso em: 20 set. 2018.

CARNEIRO, M. A. LDB Fácil: leitura crítico-compreensiva, artigo a artigo. 17. ed. atualizada e ampliada. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

CHARLOT, B. Projeto político e projeto pedagógico. In: MOLL, J. (Org.). Ciclos na Escola, Tempos na Vida: criando possibilidades. Porto Alegre: ArtMed, 2004.

COELHO, L. M. da C. ; HORA, D. M. Educação integral, tempo integral e currículo. Série - Estudos - Periódico do Mestrado em Educação da UCDB. Campo Grande, MS, n.27, p. 177-192, jan./jun. 2009.

COELHO, L. M. C. da C.; MARQUES, L. P.; BRANCO, V. Políticas públicas municipais de educação integral e(m) tempo ampliado: quando a escola faz a diferença. Ensaio: Aval. Pol. Públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 22, n. 83, p. 355-378, abr./jun. 2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362014000200005. Acesso em: 20 set. 2018.

CONTRERAS, J. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.

GIOLO, J. Educação de tempo Integral: resgatando elementos históricos e conceituais para o debate. In: MOLL, J. (et al). Caminhos da Educação Integral no Brasil: direito a outros tempos e espaços educativos. Porto Alegre: Penso, 2012, p. 95-105.

MACIEL, C. L. A.; PAIVA, F. R. S. O “novo” Mais Educação e a concepção de formação humana. In: NÚCLEO DE ESTUDOS TEMPOS, ESPAÇOS E EDUCAÇÃO INTEGRAL. Blog Educação Integral em Tempo Integral, [S. l.], 21 nov. 2016. Disponível em: https://bit.ly/35GuqgR. Acesso em: 5 maio 2018.

MENEZES, J. S. da S.; BRASIL, R. S. Gestão democrática na escola: a participação no contexto da prática de um programa de educação em tempo integral. Revista on line de Política e Gestão Educacional, [S. l.], p. 137-158, jan. 2018. Disponível em: https://doi.org/10.22633/rpge.v22.nesp1.2018.10787 Acesso em: 21 jan. 2022.

ROSA, A. V. N. O “Programa Novo Mais Educação” (PNME) e a questão do(s) espaço(s). In: NÚCLEO DE ESTUDOS TEMPOS, ESPAÇOS E EDUCAÇÃO INTEGRAL. Blog Educação Integral em Tempo Integral, [S. l.], 28 nov. 2016. Disponível em: https://bit.ly/37NHNO7. Acesso em: 5 maio 2018.

Downloads

Publicado

2022-12-04

Como Citar

Magalhães, N. R. S., Dias , C. M. C. ., & Brandt , A. G. . . (2022). Educação Integral como concepção educacional: análise a partir dos Cadernos Pedagógicos do Programa Mais Educação. Revista Profissão Docente, 22(47), 01–18. https://doi.org/10.31496/rpd.v22i47.1497

Edição

Seção

Dossiê - Educação Integral