Peculiaridades da alma romântica em criações artísticas

Autores

  • Sueli Teresinha de Abreu Bernardes Universidade de Uberaba – Uniube

DOI:

https://doi.org/10.31496/rpd.v22i47.1525

Palavras-chave:

Pré-romantismo, Romantismo, Arte, Filosofia

Resumo

O ideário característico do Pré-Romantismo e do Romantismo e do repercutiu na arte, e a compreensão das peculiaridades das obras de artistas, reconhecidos como seus representantes ou precursores, contribui para desvelar a alma romântica. Com o objetivo de aprofundar esse entendimento, sob o aporte da fenomenologia bachelardiana, este artigo comenta algumas criações que expressam singularidades como a interpretação da natureza, o prevalecer dos sentimentos sobre a razão, o exercício da liberdade, a visão de mundo centrada no indivíduo, a religiosidade e o expressar do drama humano. Além disso, analisa conceitos de Jean-Jacques Rousseau, Johann Wolfgang von Goethe, Johann Christoph Friedrich von Schiller, Friedrich von Hardenberg – Novalis e Antonio Candido.

Biografia do Autor

Sueli Teresinha de Abreu Bernardes, Universidade de Uberaba – Uniube

É Doutora em Educação (2008) e Mestre em Educação Brasileira (2004) pela Universidade Federal de Goiás (UFG). É membro da Association Internationale Gaston Bachelard, França, do Círculo Latinoamericano de Fenomenología, do Grupo de Estudos e Pesquisas CAOIDES – Filosofia, Arte e Ciência (UFG), do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre a obra de Guimarães Rosa (UFT), do Grupo de Estudos e Pesquisas em Direito e Literatura (Uniube), da Rede de Pesquisadores sobre Professores (as) do Centro-Oeste – REDECENTRO e do Instituto Nacional de Pesquisa e Promoção de Direitos Humanos. É Professora Titular aposentada da Universidade de Uberaba.

Referências

ABREU-BERNARDES, S.T. Arte e filosofia na professoralidade. Curitiba: CRV, 2010.

ALENCAR, J. de. Iracema. 24. ed. São Paulo: Ática, 1991. Ministério da Cultura. Fundação Biblioteca Nacional. Departamento Nacional do Livro. Disponível em: http://objdigital.bn.br/Acervo_Digital/Livros_eletronicos/iracema.pdf Acesso em: 16 jun. 2021.

BACHELARD, G. Le droit de rêver. 5e ed., Paris: Les Presses Universitaires de France, 2013.

BICUDO, M. A. V. A pesquisa qualitativa fenomenológica: interrogação, descrição e modalidades de análise. In: BICUDO, M. A. V. (Org.). Pesquisa qualitativa segundo a visão fenomenológica. São Paulo: Cortez, 2011. p. 41-74

BORNHEIM, G. Filosofia do Romantismo. In: GUINSBURG, J. (Org.). O Romantismo. São Paulo: Perspectiva, 2005. p. 75-112.

CANDIDO, A. O Romantismo no Brasil. 2. ed. São Paulo: Humanitas/FFLCH-USP, 2004. Disponível em: https://filosoficabiblioteca.files.wordpress.com/2017/10/antonio-candido-o-romantismo-no-brasil.pdf. Acesso em: 16 jun. 2021.

CARPEAUX, O. M. Prosa e ficção do Romantismo. In: GUINSBURG, J. (Org.). O Romantismo. São Paulo: Perspectiva, 1985. p. 157-184

DELACROIX, E. A morte de Sadarnapolo. Óleo sobre tela, 1937, 3,92 x 3.92, Museu do Louvre, Paris. In: Delacroix Grandes Mestres. São Paulo: Abril, 2011.

FAÇANHA, L. S.; CARVALHO, L. B. Leitura de imagem nas ilustrações do romance filosófico de Rousseau como expressão do Pré-Romantismo, Littera online – revista de estudos linguísticos e literários, São Luiz, v. 6, n. 10, p. 1-21, jun. 2015.

Disponível em: http://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/littera/issue/view/253.

Acesso em: 13 jun. 2020.

FAÇANHA, L. da S. A fratura da estética classicista a partir do Pré-Romantismo de Rousseau. Revista Dialectus, Fortaleza, ano 8, n. 15, p. 156-170, ago./dez. 2019. Disponível em: https://repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/50214/1/2019_art_lsfa%c3%a7anha.pdf Acesso em: 12 ago. 2019.

FAÇANHA, L. S.; FEITOSA, M. M. M.; CARVALHO, L. B. C. Espaço, lugar e virtude em A Nova Heloísa de Rousseau: Júlia e a paisagem de Clarens. Revista Interdisciplinar em Cultura e Sociedade, v. 3, n. especial, jul./dez. 2017. Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/ricultsociedade/article/view/7751. Acesso em: 15 out. 2020.

GALVÃO, W. N. Romantismo das trevas. Teresa, revista de Literatura Brasileira, São Paulo, v.12, n. 13, p. 65-78, 2013. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/teresa/article/view/99057/97563 Acesso em 12 ago 2019.

GOETHE, J. W. V. Goethe: poesias escolhidas. Apresentação e organização Samuel Pfromm Netto. Campinas, SP: Átomo/ PNA, 2002. Disponível em: https://escamandro.wordpress.com/2014/08/01/goethe-1749-1832/. Acesso em: 5 nov. 2020.

HAUSER, A. História social da arte e da literatura. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

HUYGHE, R. Sentido e destino da arte II. Tradução: João Gama. São Paulo: Martins Fontes, 1986.

KESTLER, I. M. F. Johann Wolfgang von Goethe: arte e natureza, poesia e ciência. Hist. cienc. saude-Manguinhos [online], v.13, supl., p. 39-54, 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/j/hcsm/a/XdB7YFXHpTHYRXpmTLFNzFp/?lang=pt.

Acesso em: 04 jun. 2007.

MEDEIROS, J. M. de. Iracema, 1881. Óleo sobre tela. Arte romântica no Brasil: contexto histórico, artistas e obras do período, LAART, 2020. Disponível em: https://laart.art.br/blog/arte-romantica-no-brasil/ Acesso em: 23 dez 2018.

MELO, C. M. M. de. O poeta entre o literário, o político e a polêmica: a recepção de Dante, no Romantismo francês. Revista de Italianística, USP, São Paulo, n. 31, p. 1-18, 2016. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/italianistica/article/view/125059 Acesso em 12 ago. 2020.

NOVALIS, F. V. H. Pólen: fragmentos, diálogos, monólogo. Tradução, apresentação e notas de Rubens Rodrigues Torres Filho. 2. ed. São Paulo: Iluminuras, 2001.

OTTE, G. Do mito do “bom selvagem” à Nova Mitologia. A crise da cultura em Rousseau e Schiller. IPOTESI, Juiz de Fora, v.19, n.2, p. 12-18, jul./dez. 2015. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/ipotesi/article/view/19516. Acesso em 11 ago 2020.

PAZ, O. Os filhos do barro. Tradução de Olga Savary. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

POE, E. A. O Corvo. Tradução: Fernando Pessoa. In: PESSOA, F. Obra poética. Organização, Introdução e notas de Maria Aliete Galhoz. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1995.

ROSENFELD, A.; GUINSBURG, J. Romantismo e Classicismo. In: GUINSBURG, J. (Org.). O Romantismo. São Paulo: Perspectiva, 1985. p. 261-274.

ROUSSEAU, J.-J. Lettres à Jacob Vernes [1758]. In: GOUHIER, H. Lettres philosophiques. Paris: Vrin, 1974.

ROUSSEAU, J-J. Julie ou la Nouvelle Héloïse. Texte établi et annoté par B. Gagnebin et M. Raymond, Oeuvres Completes. Paris: Gallimard, 1961. t. II.

RUBENS, P. P. The Massacre of the Innocents, 1636-1638 [segunda versão]. Óleo sobre madeira, 198,5 cm x 302,2 cm, Art Gallery of Ontario, Toronto, Canada. Disponível em: https://en.wikipedia.org/wiki/Massacre_of_the_Innocents_(Rubens)#/media/File:Rubens_-_Massacre_of_the_Innocents_-_Art_Gallery_of_Ontario_2.jpg Acesso em: 20 set. 2020.

SCHILLER, J. C. F. Os deuses da Grécia. Tradução de Maria do Sameiro Barroso. Disponível em: https://www.triplov.com/poesia/schiller/deuses_da_grecia.htm Acesso em: Acesso em 25 set. 2012.

SCHILLER, J. C. F. Ode à Alegria. [cantado no quarto movimento da 9.ª sinfonia de Beethoven], 1786. Disponível em: http://letras.mus.br/ludwig-van-beethoven/3636/traducao.html Acesso em 3 jul. 2021.

SELIGMANN-SILVA, M. Friedrich Schlegel e Novalis: poesia e filosofia. Revista Terceira margem, Rio de Janeiro, v. 10, n. 15, p. 95-11, 2006. Disponível em: http://www.ciencialit.letras.ufrj.br/terceiramargemonline/numero10/vi.html Acesso em 13 ago. 2019.

SHAKESPEARE, W. Romeu e Julieta. [1591 e 1595]. Edição Ridendo Castigat Mores. eBooksBrasil.com. [20--]. Disponível em: http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/romeuejulieta.pdf Acesso em 25 set. 2012.

VIZZIOLI, P. O Sentimento e a razão nas poéticas e na poesia do Romantismo. In: GUINSBURG, J. (Org.). O Romantismo. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2005. p. 137-156

Downloads

Publicado

2022-09-05

Como Citar

Abreu Bernardes, S. T. de. (2022). Peculiaridades da alma romântica em criações artísticas . Revista Profissão Docente, 22(47), 01–20. https://doi.org/10.31496/rpd.v22i47.1525

Edição

Seção

Dossiê Arte, Filosofia e Ciência – estudos a partir da Educação