Produção textual escrita em monitoria acadêmica

Autores

  • Adriana Beloti Universidade Estadual do Paraná - Unespar, Brasil
  • Lorena Yasmim Rogaléski Universidade Estadual do Paraná - Unespar, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.31496/rpd.v24i49.1599

Palavras-chave:

Monitoria acadêmica, Escrita, Revisão e reescrita, Formação docente inicial

Resumo

Este trabalho objetiva compreender a constituição da prática de escrita dos participantes de um projeto de monitoria acadêmica e os processos formativos da monitora. Os conceitos advindos do interacionismo e do campo educacional, com destaque à práxis, são fundamentais à investigação. A Linguística Aplicada sustenta teórica e metodologicamente a pesquisa, tendo em vista os registros estudados – práticas de linguagem – e as categorias consideradas. Tomam-se os textos produzidos pelos acadêmicos, a fim de observar os modos de interação entre a monitora e os estudantes. Além disso, o caráter de formação docente inicial é examinado, considerando-se a constituição da acadêmica monitora no percurso de estudo e atendimento no projeto em tela. Na síntese, observam-se as atitudes responsivas ativas dos participantes atendidos e, ainda, a constituição da prática docente da monitora, tanto pela própria atuação quanto pela mediação da professora orientadora.

Biografia do Autor

Adriana Beloti, Universidade Estadual do Paraná - Unespar, Brasil

Doutora em Letras pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Professora adjunta na Universidade Estadual do Paraná – campus de Campo Mourão – no curso de graduação em Letras e no Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar Sociedade e Desenvolvimento – PPGSeD.

Lorena Yasmim Rogaléski, Universidade Estadual do Paraná - Unespar, Brasil

Graduanda em Letras pela Universidade Estadual do Paraná – campus de Campo Mourão.

Referências

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. Prefácio à edição francesa Tzvetan Todorov; introdução e tradução do russo Paulo Bezerra. 6. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011[1979].

BELOTI, A. A formação teórica, metodológica e prática dos conceitos de revisão e reescrita no PIBID de língua portuguesa. 2016. 227 f. Tese (Doutorado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2016.

BELOTI, A.; MENEGASSI, R. J. Aspectos teórico-metodológicos sobre revisão e reescrita na formação docente do PIBID. Veredas - Revista de Estudos Linguísticos, Juiz de Fora, v. 20, n. 2, p. 257-280, 2016. Disponível em: https://www.ufjf.br/revistaveredas/edicoes/2016-2/v-20-no-2/. Acesso em: 2 abr. 2021.

BONINI, A. [Conversa com] Adair Bonini. In: SILVA, K. A.; ARAGÃO, R. C. (Org.). Conversas com formadores de professores de línguas: avanços e desafios. Campinas: Pontes Editores, 2013. p. 33-42.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - 9394/96. Brasília: MEC, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 18 maio 2015.

COSTA-HÜBES, T. C. Reflexões sobre os encaminhamentos de produção textual: enunciados em diálogo com outros enunciados. Encontro do CELSUL – Círculo de Estudos Linguísticos do Sul, Anais do X Encontro do CELSUL. Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Cascavel-PR, 2012. p.1-15.

FIAD, R, S.; MAYRINK-SABINSON, M. L. T. A escrita como trabalho. In: MARTINS, M. (Org.). Questões de linguagem. São Paulo: Contexto, 1991. p. 54-63.

GERALDI, J. W. Portos de passagem. 5. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013[1991].

MARTINS, L. M. O desenvolvimento do psiquismo e a educação escolar: contribuições à luz da psicologia histórico-cultural e da pedagogia histórico-crítica. Campinas: Autores Associados, 2013.

MENEGASSI, R. J. Da revisão à reescrita de textos: operações e níveis linguísticos na construção do texto. 1998. 265 f. Tese (Doutorado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Estadual Paulista, Assis, 1998.

MENEGASSI, R. J. Conceitos bakhtinianos na prova de redação. Línguas & Letras: Universidade Estadual do Oeste do Paraná. v. 12, 2011. p. 99-119.

MENEGASSI, R. J. A revisão de textos na formação docente inicial. In: GONÇALVES, A. V.; BAZARIM, M. (Orgs.). Interação, gênero e letramento: a (re)escrita em foco. 2. Ed. Campinas: Pontes Editores, 2013. p. 105-131.

MENEGASSI, R. J.; GASPAROTTO, D. M. Revisão textual-interativa: aspectos teórico-metodológicos. Domínios de Linguagem, Uberlândia, v. 10, n. 3, p. 1019-1045, 2016.

MENEGASSI, R. J; GASPAROTTO, D. M. Revisão dialógica: princípios teóricos-metodológicos. Linguagem em (Dis)curso – LemD, Tubarão, SC, v. 19, n. 1, p. 107-124, jan./abr. 2019.

OLIVEIRA, J. de; VOSGERAU, D. S. A. R. Práticas de monitoria acadêmica no contexto brasileiro. Educação: Teoria e Prática/ Rio Claro, SP/ v. 31, n. 64, 2021.

PERFEITO, A. M. Concepções de linguagem, teorias subjacentes e ensino de língua portuguesa. In: MENEGASSI, R. J.; SANTOS, A., R. dos; RITTER, L. C. B. (Org.). Concepções de linguagem e ensino. Maringá: Eduem, 2010. p. 11-40. (Coleção formação de professores EAD, v. 41).

RODRIGUES, R. H.; CERUTTI-RIZZATTI, M. E. Linguística aplicada: ensino de língua materna. Florianópolis: LLV/CCE/UFSC, 2011. Disponível em: http://petletras.paginas.ufsc.br/files/2016/10/Livro-Texto_Linguistica_Aplicada_UFSC.pdf. Acesso em: 23 jun. 2023.

RUIZ, E. D. Como corrigir redações na escola: uma proposta textual-interativa. 1. reimp. São Paulo: Contexto, 2010.

SAVIANI, D. Sobre a natureza e especificidade da educação. In: SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 8. ed. rev. e ampl. Campinas, SP: Autores Associados, 2003. p. 11-22.

SCHERER, C. de A. Formação teórico-metodológica para a docência: desafios e possibilidades. In: BARROCO, A. M. S.; ZIBETTI, M. L. T.; FACCI, M. G. D. (Orgs). Psicologia e docência no ensino superior: formação e atuação de professores. Maringá: Eduem, 2021. p. 19-36.

SERAFINI, M. T. Como escrever textos. Tradução Maria Augusta Barros de Mattos, Adaptação Ana Luísa Marcondes Garcia. Rio de Janeiro: Globo, 1987.

SERCUNDES, M. M. I. Ensinando a escrever. In: CHIAPPINI, L. (Coord.). Aprender e ensinar com textos. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2004. p. 75-97.

TRIPP, D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Tradução de Lólio Lourenço de Oliveira. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 31, n. 3, set.-dez. 2005, p. 443-466.

UNESPAR. Regimento geral da Universidade Estadual do Paraná. Paranavaí: Unespar, 2014. Disponível em: https://www.unespar.edu.br/a_unespar/institucional/documentos_institucionais/2-regimento-da-unespar. Acesso em: 5 jun. 2023.

VOLOCHINOV, V. N; BAKHTIN, M. Discurso na vida e discurso na arte (sobre poética sociológica). Tradução de Carlos Alberto Faraco e Cristóvão Tezza [para fins didáticos]. Versão da língua inglesa de I. R. Titunik a partir do original russo. 1926.

VOLÓCHINOV, V. N. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2018.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

Downloads

Publicado

2024-07-08

Como Citar

Beloti, A., & Rogaléski, L. Y. (2024). Produção textual escrita em monitoria acadêmica. Revista Profissão Docente, 24(49), 1–26. https://doi.org/10.31496/rpd.v24i49.1599