A origem e a perenidade do discurso de alinhamento com a prática na formação continuada

Autores

  • Victor Augusto Both Eyng Universidade Federal de Alagoas - UFAL, Brasil
  • Camila Perez da Silva Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão - UEMASUL, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.31496/rpd.v24i49.1602

Palavras-chave:

formação continuada, formação de professores, narrativas docentes, prática docente

Resumo

O objetivo deste estudo foi investigar como se originou e por qual razão se perpetua o discurso de alinhamento com a prática na formação continuada, apesar do aparente avanço em promovê-la. Analisou-se a construção da identidade da formação continuada no Brasil e como ela é, hoje, percebida por professores da educação básica, a partir da narrativa sobre suas experiências, obtidas via questionário online, e o paralelo com a literatura especializada. Identificaram-se possíveis causas-raiz, como a expansão do acesso à educação básica e o crescimento das licenciaturas, que exigiram formações compensatórias às lacunas da formação inicial. Ainda, outras características dos programas de formação continuada possivelmente contribuíram para a constituição de uma visão de “prática pela prática”, com modelos de formação verticalizadas e não dialógica com os ambientes de exercício da docência.

Biografia do Autor

Victor Augusto Both Eyng, Universidade Federal de Alagoas - UFAL, Brasil

Mestrando em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Especialista em Gestão Escolar pela Universidade de São Paulo (USP/Esalq) Licenciado em Letras pela Uniderp, Bacharel em Direito pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), campus de Foz do Iguaçu. Integrante do Grupo de Pesquisa em Tecnologias da Informação e Comunicação na Formação de Professores Presencial e Online (TICFORPROD) da UFAL. Especialista em Gestão Pedagógica junto ao Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais da Fundação Getúlio Vargas - FGV CEIPE e Consultor Pedagógico.

Camila Perez da Silva, Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão - UEMASUL, Brasil

Professora Adjunta da Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão (UEMASUL). Doutora em Educação e Mestre em Sociologia pela UFSCar. Graduada em Ciências Sociais (UNESP), Pedagogia (UNINOVE) e Filosofia (UNIMES). Possui MBA em Gestão Escolar (USP). De 2020 a 2022, realizou estágio pós doutoral no Departamento de Educação (Ded) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Atuou como gestora educacional nas prefeituras de São Carlos/SP e Araras/SP, como Professora Coordenadora do Núcleo Pedagógico da Diretoria de Ensino de São Carlos/SP e, Professora Associada do Instituto PECEGE/USP. É membro do grupo de estudos em práticas educativas e formação de professores (GEPEFP) da UEMASUL, e do grupo de pesquisa em educação em direitos humanos, da Universidade Federal do ABC (UFABC).

Referências

ANDRÉ, M.; BARRETO, E. S.; GATTI, B. A. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: UNESCO, 2011.

AZANHA, J. M. P. A formação do professor e outros escritos. São Paulo: Senac, 2006.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BARRETO, E. S. S; GATTI, B. A. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: Unesco, 2009.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 1, de 27 de outubro de 2020. Dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Continuada de Professores da Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Continuada de Professores da Educação Básica (BNC-Formação Continuada). Diário Oficial da União, Brasília, Seção 1, p. 103-106, 2020.

BUENO, B. O. O método autobiográfico e os estudos com histórias de vida de professores: a questão da subjetividade. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 11-30, jan./jun. 2002.

DARLING-HAMMOND, L.; WEI, R. C.; ANDREE, A.; RICHARDSON, N.; PRPHANOS, S. Professional learning in the learning profession: a status report on teacher development in the United States and abroad. Dallas: National Staff Development Council, 2009.

GATTI, B. A. Análise das políticas públicas para formação continuada no Brasil, na última década. Revista Brasileira de Educação, n. 37, p. 57-70, 2008.

GREEN, E. Formando mais que um professor: a essência do ensinar e como impactar a aprendizagem de todos os alunos. São Paulo: Da Boa Prosa, 2018.

LABI - Laboratório de Inovação Educacional. Por uma nova formação continuada: diálogos, experiências e a formação de professores no século 21. Rio de Janeiro: LABI, 2016.

MORICONI, G. M. Formação continuada de professores: contribuições da literatura baseada em evidências. São Paulo: FCC, 2017. Disponível em: https://publicacoes.fcc.org.br/textosfcc/issue/view/340/169. Acesso em: 27 jul. 2022.

NÓVOA, A. Os professores e a sua formação num tempo de metamorfose da escola. In Educação & Realidade, n. 44, v. 3, p. 1-14, 2019.

RODRIGUES, L. Z.; PEREIRA, B.; MOHR, A. Recentes imposições à formação de professores e seus falsos pretextos: as BNC Formação Inicial e Continuada para controle e padronização da docência. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências. 1-39, 2021.

SCHÖN, D. A. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, Antônio (org.). Os professores e sua formação. Lisboa: Don Quixote, 1992.

SILVA, M. R. da. Impertinências entre trabalho, formação docente e o referencial de competências. Retratos da Escola, v. 13, n. 25, p. 123-135, 2019.

VASCONCELLOS, C. S. Coordenação do trabalho pedagógico: do projeto político-pedagógico ao cotidiano da sala de aula. São Paulo: Libertad, 2002.

Downloads

Publicado

2024-07-08

Como Citar

Eyng, V. A. B. ., & Silva, C. P. da . (2024). A origem e a perenidade do discurso de alinhamento com a prática na formação continuada. Revista Profissão Docente, 24(49), 1–17. https://doi.org/10.31496/rpd.v24i49.1602