Influências das pedagogias ambientais no Ensino de ciências

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31496/rpd.v22i47.1456

Palavras-chave:

Tendências pedagógicas, Pedagogias ambientais, Ensino de Ciências

Resumo

As tendências pedagógicas tradicionais da Educação se apropriaram das pedagogias ambientais surgidas no movimento ambientalista, circunscrevendo-as pelas pedagogias tradicionais (liberais ou progressistas), conforme as orientações formativas dos docentes e das instituições de ensino, em função dos contextos socioculturais variados da história da Educação nacional. Este processo histórico faz com que as pedagogias ambientais possam ser categorizadas como sendo de tipologias liberais ou progressistas, determinando certos processos de ensino e aprendizagem, às vezes em detrimento de outros, em função da orientação pedagógica professoral ou escolar. Por sua vez, este determinismo pedagógico para a abordagem do meio ambiente influencia também a Educação em Ciências, que poderá ter os seus enfoques ou conteúdos definidos a partir destas correntes pedagógicas ambientais, em direção às tendências pedagógicas ambientais liberais ou progressistas, conforme o contexto educacional, ou seja, espaços e tempos do ambiente escolar ou acadêmico. O presente estudo conceitua e discute as diversas tendências das pedagogias ambientais em correlação aos contextos do Ensino de Ciências, expondo sinteticamente as possibilidades que se apresentam para os processos de ensino e aprendizagem e como estas vertentes pedagógicas ambientais podem enriquecer o aprendizado na Educação em Ciências.

Biografia do Autor

Ronualdo Marques, Universidade Federal do Paraná

Doutorando em Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) na Universidade Federal do Paraná (UFPR). Mestre em Ensino de Ciências pelo Programa de Pós-Graduação em Formação Científica, Educacional e Tecnológica pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (PPGFECT-UTFPR); Graduado em Pedagogia no Centro Universitário Internacional (UNINTER). Especialista em Filosofia Contemporânea pela Faculdade de Administração, Ciências, Educação e Letras (FACEL). Especialista em Gestão Pública Municipal pela UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR); Especialista em Educação e Gestão Ambiental pela Faculdades Integradas do Vale do Ivaí (UNIVALE); Especialista em Educação Especial Faculdades Integradas do Vale do Ivaí (UNIVALE); Graduado em Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO).

Carlos Eduardo Fortes Gonzalez, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutor em Educação pela Universidad de la Empresa, Montevideo, com título reconhecido pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Tem Pós-doutorado pelo Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

Referências

ABRAMOVAY, R. Muito além da economia verde. São Paulo: Abril, 2012.

ALTHUSSER, L. Aparelhos ideológicos de estado. Rio de Janeiro: Graal editora, 2001.

ANTUNES, Â. Leitura do Mundo no contexto da planetarização: por uma pedagogia da sustentabilidade. Tese de doutorado. São Paulo: USP, Faculdade de Educação, 2002.

BRASIL. Identidades da Educação Ambiental brasileira. Diretoria de Educação Ambiental (DEA). Ministério do Meio Ambiente. Brasília, 2004

CASCINO, F. Educação Ambiental: princípios, história, formação de professores. 2ª edição. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2000.

DIAS, G. F. Educação Ambiental: princípios e práticas. 9ª edição. São Paulo: Gaia, 2010

DIEGUES, A. C. S. O mito moderno da natureza intocada. 6ª edição. São Paulo: Hucitec, 2008.

GADOTTI, M. História das ideias pedagógicas. 8ª edição. São Paulo: Ática, 2005.

GADOTTI, M. O pensamento pedagógico brasileiro. 8ª edição. São Paulo: Ática, 2004.

GADOTTI, M. Pedagogia da Terra. 2ª edição. São Paulo: Fundação Peirópolis, 2000

GUIMARÃES, M. A formação de educadores ambientais. Campinas, SP: Papirus, 2004.

GUTIÉRREZ, F. & PRADO, C. Ecopedagogia e cidadania planetária. São Paulo: Cortez, 2000.

KRASILCHIK, M.; MARANDINO, M. Ensino de ciências e cidadania. 2ª edição. São Paulo: Moderna, 2007.

LAYRARGUES, P. P. A natureza da ideologia e a ideologia da natureza: elementos para uma sociologia da Educação ambiental, 2003. 110 p. Tese. (Doutorado em Ciências Sociais) - Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, UNICAMP, 2003.

LEFF, E. O saber ambiental. 4ª edição. Petrópolis - RJ: Vozes, 2001.

LIBÂNEO, J. C. Educação escolar: políticas, estrutura e organização. 1ª edição. São Paulo: Cortez, 2003

LIMA, G. F. C. Formação e dinâmica do campo da Educação ambiental no Brasil: emergência, identidades, desafios. 207p. Tese. (Doutorado em Ciências Sociais) - Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais. Campinas: UNICAMP, 2005.

LOUREIRO, C. F. B. Educação ambiental: repensando o espaço da cidadania. 2ª edição. São Paulo: Cortez, 2002.

LOUREIRO, C. F. B. Trajetória e fundamentos da Educação ambiental. São Paulo: Cortez, 2006.

MONTIBELLER-FILHO, G. O Mito do Desenvolvimento Sustentável: Meio Ambiente e custos sociais no moderno sistema produtor de mercadoras. 3ª edição. Florianópolis: UFSC, 2008.

MORIN, E. A religação dos saberes: o desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Bertrand, 2001.

MORIN, E. & LE MOIGNE, J. L. A inteligência da complexidade. São Paulo: Peirópolis, 2000.

QUINTAS, J.S. Introdução a Gestão Ambiental Pública. Brasília: Edições IBAMA, 2002.

REIGOTA, M. O que é educação ambiental. 2ª edição. São Paulo: Brasiliense, 2009.

ROCHA, A. L. C. Nas trilhas de uma bioetnodiversidade: a questão do olhar do outro e seus desdobramentos na construção dialógica das ciências ambientais. Porto Alegre: Instituto Anthropos, 2000.

SACHS, I. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. 2ª edição: Rio de Janeiro: Garamond, 2002.

SANTOS, M. E. V. M. A cidadania na "voz" dos manuais escolares: o que temos? O que queremos? Lisboa: Horizonte, 2001.

SEGURA, D. S. B. Educação ambiental na escola pública: da curiosidade ingênua à consciência crítica. São Paulo: Anablume, 2001.

SILVA, M. G. Questão ambiental e desenvolvimento sustentável: um desafio ético-político ao Serviço Social. São Paulo: Cortez, 2010.

VEYRET, Y. Os riscos: o homem como agressor e vítima do meio ambiente. São Paulo: Contexto, 2007.

Downloads

Publicado

2022-09-05

Como Citar

Marques, R., & Gonzalez, C. E. F. (2022). Influências das pedagogias ambientais no Ensino de ciências. Revista Profissão Docente, 22(47), 01–16. https://doi.org/10.31496/rpd.v22i47.1456